Consumir um copo de leite todas as manhãs é um hábito comum em muitos lares brasileiros. Puro, com café ou em forma de vitamina, essa bebida é, muitas vezes, a primeira e a última refeição de muitas pessoas diariamente.

Os motivos para o consumo do leite são muitos. A bebida tem poucas calorias, é rica em vitaminas e minerais como o cálcio, fundamental para o bom desenvolvimento e fortalecimento dos ossos.

No entanto, apesar destes benefícios, uma boa parcela da população simplesmente não pode consumir a bebida, por ser diagnosticada com alergia à proteína do leite da vaca, uma enfermidade grave, e que costuma ser confundida com outro problema que impede o consumo do leite: a intolerância à lactose.

Muito diferentes, essas duas doenças costumam ser bastante confundidas por suas crises serem desencadeadas com o consumo do leite. Tão importante quanto saber identificar suas divergências é aplicar o tratamento correto a cada caso.

Alergia à proteína do leite da vaca

A alergia à proteína do leite de vaca é provocada por uma reação do sistema imunológico a uma proteína presente no leite, como a caseína, por exemplo.

Quando um alérgico ingere o leite (mesmo que em pequenas quantidades), seu organismo interpreta a presença da caseína como uma invasão, colocando todas as células de defesa para combater esse corpo estranho. É essa reação que torna uma pessoa sensível ao consumo do leite de vaca.

Surgimento da doença

alergia leite de vaca 2

Foto: JI NEWS

A alergia à proteína do leite de vaca costuma surgir, em geral, na primeira infância, e aparece com mais frequência em bebês que estão trocando o leite materno pelo leite de vaca.

Essa doença ocorre com mais frequência nesta fase da vida, pois os bebês ainda não tem todos os anticorpos necessários para combater vírus ou outros corpos estranhos que nosso organismo entenda como ameaça.

Além disso, seu sistema digestivo ainda não está preparado para digerir um alimento como o leite de vaca, razão pela qual esse tipo de alergia costuma se desenvolver mais frequentemente em crianças pequenas.

Sintomas

alergia leite de vaca 3

Foto: MD SAÚDE

Os bebês diagnosticados com alergia à proteína do leite de vaca apresentam, pouco tempo após a ingestão do alimento, vômitos, dor abdominal, diarreia, flatulência, presença de sangue nas fezes e dermatites (quando sua pele fica vermelha e com a aparência de estar mais grossa).

Tratamento da alergia a proteína de vaca

Para o tratamento da alergia à proteína do leite de vaca é necessária a retirada não apenas deste alimento da dieta da criança, mas também de todos os seus derivados ou produtos que contenham soro de leite.

Desta forma, pessoas diagnosticadas com essa doença não podem consumir achocolatados, biscoitos doces ou leite em pó, por exemplo. Mães que estejam amamentando e tenham filhos diagnosticados com essa alergia também devem evitar o consumo destes alimentos.

Duração da doença

alergia leite de vaca 4

Foto: CQ

Felizmente, as crianças diagnosticadas com alergia à proteína do leite de vaca pode se ver livre desta doença após os três anos. Nesta fase da vida, seu organismo já desenvolveu as defesas suficientes para enxergar a presença das proteínas do leite não como ameaças.

 

Intolerância à lactose

Enquanto a alergia à proteína do leite de vaca é desencadeada por uma resposta imunológica do organismo à presença destas proteínas, na intolerância à lactose, o problema é causado por uma incapacidade do organismo em digerir tais proteínas.

Em pessoas que não possuam a intolerância, a lactose, quando chega ao sistema digestivo, é metabolizada pelo organismo. Já naqueles considerados intolerantes, a ausência de uma enzima especializada nesta função, a lactase, ocasiona o problema.

A intolerância à lactose é uma doença mais comum do que a alergia, já que cerca de 70% da população mundial apresenta alguma deficiência na produção de enzimas responsáveis pela digestão do açúcar do leite.

Tipos de intolerância

Ao contrário da alergia à proteína do leite de vaca, a intolerância à lactose possui três diferentes tipos, que influenciam no surgimento e duração da doença.

Por exemplo, no caso de pessoas com intolerância à lactose congênita, o problema surge desde o seu nascimento e dura a vida toda. Sua causa é a ausência total da enzima lactase no organismo.

Os diagnosticados com intolerância à lactose primária adquirem a doença com o decorrer da idade. Esse processo é natural e relativamente comum em adultos. Já a intolerância à lactose secundária é reflexo da incapacidade do intestino delgado de produzir quantidades normais de lactase.

Essa incapacidade é fruto de doenças e ferimentos, como a doença celíaca, a gastroenterite ou a doença de Crohn, dentre outras.

Sintomas

alergia leite de vaca 7

Foto: IG

Os sintomas da intolerância à lactose podem demorar um pouco mais para aparecer, surgindo desde minutos após o consumo do leite ou então dentro de algumas horas, e englobam cólica, diarreia, gases, distensões abdominais e sensação de inchaço.

Tratamento

alergia leite de vaca 8

Foto: INGENDER

Assim como na alergia à proteína do leite de vaca, o tratamento da doença envolve a retirada de todos os alimentos que contenham leite, inclusive seus derivados. Essa retirada e a substituição por produtos à base de soja devem ser feitos de acordo com o grau de intolerância.

No entanto, para essa doença é possível o uso de medicamentos que contenham a enzima lactase, diminuindo o desconforto causado pela intolerância.

Duração da doença

A intolerância à lactose, ao contrário da alergia à proteína do leite de vaca pode ser tanto transitória quanto durar toda a vida de uma pessoa. Para determinar o tratamento é necessário acompanhamento médico.

 

Como diferenciar a alergia à proteína do leite de vaca e a intolerância à lactose?

alergia leite de vaca 9

Foto: BIOSOM

Além dos sintomas ligeiramente diferentes, a diferenciação entre a alergia à proteína do leite e a intolerância à lactose é feita com exames médicos de sangue específicos.

No caso da alergia, além do teste sanguíneo, é necessário um teste de provocação oral, onde o paciente ingere o leite, na presença do médico, para a verificação dos sintomas surgidos com a doença.

Já para a intolerância, os médicos avaliam o histórico do paciente e acompanham sintomas associados à ingestão do leite, além de verificar também outras intolerâncias e enfermidades que possam estar relacionadas à doença.

Nossas dicas foram úteis para você? Deixe seu comentário abaixo que queremos saber!

Leia mais conteúdos sobre esse assunto:

O leite faz mal? Descubra aqui a resposta!

10 fatos sobre intolerância e alergia alimentar

Alergia Alimentar – Top 15 dos mais perigosos

 

Alergia a proteína de vaca e intolerância a lactose são coisas diferentes
Classifique

Nenhum comentário para "Alergia a proteína de vaca e intolerância a lactose são coisas diferentes"

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    WhatsApp chat