Vira e mexe pegam empresas fraldando a carne que consumimos. Não é a primeira e muito menos será a última. Depois da Operações como a Carne Fraca realizada pela Polícia Federal, a insegurança em comprar carnes em geral, se faz presente na rotina de muitos consumidores. Minha indignação foi tanta que na época me deu vontade de ser  vegetariana ou vegana…rsrsrs.

Por saber que isso só baixou a poeira, mas está muito longe de ter solução, hoje mesmo que tardio mas nunca desatualizado, trouxe para você 6 dicas valiosas para saber como identificar se a carne está imprópria para consumo. Assim você terá muito mais segurança em servir uma refeição com qualidade para sua família. Chega de sermos enganados né?

Dica 1: Verifique as características sensoriais e organolépticas do produto

Carne bovina

carne imprópria para consumo

  • Deve estar com a embalagem íntegra, sem formação de cristais de gelo ou água dentro da embalagem. Caso esteja é sinal de recongelamento da carne, o que favorece a multiplicação de microrganismos, pois em algum momento a carne ficou em temperatura ambiente e voltou ao congelamento; (ecaaaa)
  • Deve ter consistência firme e não pegajosa; (aperte com o dedo mesmo)
  • Possuir odor e cor característica. O ideal é que a carne tenha um vermelho vivo, sem a presença de manchas escuras ou esverdeadas. (olhe de todos os lados da embalagem cuidadosamente)

Carne Suína

  • Não deve conter cristais de gelo ou água dentro da embalagem, que é sinal de recongelamento;
  • Deve ter consistência firme, não amolecida e nem pegajosa;
  • Deve conter odor e cor característica: rosada, sem escurecimento ou manchas esverdeadas;
  • Observar se tem formações redondas brancas de cisticercos, semelhante a “canjicas”.

carne imprópria para consumo

Aves

  • Não deve conter formação de cristais de gelo ou água na embalagem que caracterize recongelamento;
  • Deve conter consistência firme, não amolecida e pegajosa;
  • Odor e cor característica: Amarelo rosada sem escurecimento ou manchas esverdeadas.

Embutidos

  • Não deve ter cristais de gelo ou água dentro da embalagem, que caracterize o recongelamento;
  • Deve ter consistência firme e não pegajosa;
  • Odor característico, sem odor de ranço;
  • Cor característica da cada produto, sem manchas esbranquiçadas, verdes ou cinzas.

 

Peixes

carne imprópria para consumo

  • Sem formação de cristais de gelo ou água dentro da embalagem, que caracterize sinal de recongelamento;
  • Consistência firme, não amolecida e nem pegajosa;
  • Odor e cor característica, geralmente branca ou ligeiramente rosada;
  • Ao comprar peixe fresco, você deve observar se a carne dele está bem presa à espinha, o ventre desinchado, escamas bem aderidas e brilhantes, guelras úmidas e bem vermelhas, olhos brilhantes e salientes, superfície em geral não pegajosa

 

Dica 2. Verifique as condições de armazenamento

Além da integridade da embalagem já mencionada aqui, para ter como identificar se a carne está imprópria para consumo é importante verificar se a mesma está armazenada a uma temperatura média de 7º graus, que é uma temperatura de refrigeração. É a temperatura correta de armazenamento que irá garantir que as características microbiológicas, sensoriais, físico químicas e nutricionais do produto sejam preservadas até a data de validade determinada na embalagem.

 

Dica 3. Observar o selo de segurança  : /

O registro do Ministério da Agricultura é um selo de qualidade (SIF). Este selo de qualidade indica que todo o processo de produção. Armazenamento, transporte, distribuição foi inspecionado pelo órgão até que o mesmo chegue até você, consumidor final. Esta é uma medida que deve ou deveria garantir a procedência da carne. Só compre carnes em geral, de estabelecimentos dos quais você confia, verificando sempre as condições de higiene. Não sei realmente até que ponto devemos confiar nestes selos, pois as carnes que estavam na Operação Carne Fraca, todas as empresas tinham selo. Penso que é mais confiável o local onde você vai comprar do que esses selos de garantia.

 

Dica 4. Consuma carne moída na hora!

Evite comprar carne previamente moída tanto de supermercados quanto de indústrias. Você não precisa deixar de consumir a carne moída, mas deve manter os mesmos cuidados em relação à procedência, características do produto e higiene do local de venda. O ideal é pedir para que o açougueiro moa a carne na sua presença e sempre verifique as condições de higiene do equipamento utilizado.

Dica 5. Quanto menos manipulado melhor!

Uma prática muito comum das pessoas é comprar carnes, seja ela vermelha, de porco ou frango em bandeja, até por virem em porções menores e por oferecerem mais praticidade no preparo. No entanto, se você quer aprender de uma vez se a carne está imprópria ou não para o consumo, evite comprar carnes em badejas. Isso porque nestas condições elas são muito manipuladas, e podem ser facilmente adulteradas, inclusive no que diz respeito ao prazo de validade. Muitos supermercados só trocam o adesivo com o prazo de validade, sendo assim corra das bandejas.

Dica 6: Cuidado com os embutidos

De uma maneira geral, para ter como identificar se a carne está imprópria para consumo, é só seguir a regra de que qualquer carne em estado de decomposição, ou que esteja imprópria para consumo por contaminação, é facilmente perceptível pelo seu:

  • Cheiro;
  • Textura;
  • Coloração alterada

Mas e quando se trata dos embutidos? Como proceder? Nestes casos, os cuidados devem ser redobrados. Isso porque são alimentos altamente processados, onde não é possível identificar a origem da matéria prima, do qual foram fabricados. Com isso fica muito mais fácil a adulteração desses produtos com a adição de substâncias e /ou produtos ilícitos, como as que foram identificadas pela Operação Carne Fracas, como:

  • Carne podre;
  • Papelão;
  • Pedaços de cabeça de porco em frango, salsicha e linguiça.

Além disso, estes produtos recebem uma alta dose de aditivos alimentares como corantes e aromatizantes para realçar o sabor. Nestes casos, quem paga o preço é a sua saúde!

O ideal é consumir alimentos in natura minimamente processados como:

  • Legumes;
  • Verduras;
  • Frutas;
  • Arroz integral;
  • Milho;
  • Feijão e outras leguminosas como lentilha, ervilha;
  • Frutas secas;
  • Sucos de frutas naturais sem adição de açúcar e sem ser de caixinha!
  • Frutas oleaginosas como nozes, castanhas, amêndoas;
  • Ervas aromáticas;
  • Carnes resfriadas ou congeladas;
  • Leite e derivados desnatados.

Com essas dicas esperamos ter esclarecido as suas dúvidas sobre como identificar se a carne está imprópria para consumo. O importante é manter uma alimentação o mais natural possível, com todos os grupos de alimentos incluindo as carnes. Só assim o seu organismo receberá todos os nutrientes necessários ao bom funcionamento.

Dieta macrobiótica: Emagrecendo com equilíbrio!

Se mesmo com as nossas dicas, você ficou com dúvidas sobre a procedência ou qualidade de alguma carne que comprou para consumo, entre em contato com a Vigilância Sanitária e faça a sua denúncia.

A Vigilância Sanitária atua a nível Federal, Estadual e Municipal, o que significa que é sempre possível encontrar uma divisão técnica da ANVISA no seu estado ou município. Se você mora em São Paulo, por exemplo, pode entrar em contato com o Centro da Vigilância pelo número 3065-4600 ou no 0800-6429782, neste número você pode ter informações sobre os demais centros da Vigilância Sanitária.

Se este post sobre como identificar se a carne está imprópria para consumo te ajudou de alguma forma, não deixe de comentar e compartilhar! Assim poderemos trazer ainda mais novidades relacionadas à saúde e bem estar para você!

Até a próxima!

Como Identificar Se A Carne Está Imprópria Para Consumo?
Classifique

Nenhum comentário para "Como Identificar Se A Carne Está Imprópria Para Consumo?"

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *