Gonadotrofina Coriônica Humana e a Dieta HCG

Gonadotrofina Coriônica Humana e a Dieta HCG

Gonadotrofina Coriônica Humana ou hCG nunca são encontrados no corpo humano exceto durante a gravidez, e em casos raros nos quais um resíduo de tecido placentário continua a crescer no útero, o que é conhecido como um epitelioma coriônico. Isso nunca é encontrado em homens.

O tipo humano de gonadotrofina coriônica é encontrado apenas em mulheres grávidas e nos grandes primatas. É produzido em enormes quantidades, então durante certas fases da gravidez uma mulher pode excretar mais do que um milhão de U.I. por dia por meio da urina – o suficiente para amadurecer um milhão de filhotes de ratos.

Outros mamíferos utilizam outro tipo de hormônio, que pode ser retirado do soro sanguíneo, mas não da urina. Sua placenta difere neste aspecto e em outros da placenta humana e de grandes primatas. Essa gonadotrofina coriônica animal é quebrada muito mais lentamente no corpo humano do que a hCG, e é menos adequada para o tratamento da obesidade.

Gonadotrofina Coriônica Humana

Gonadotrofina Coriônica Humana

Como acontece comumente na medicina, muita confusão foi causada quando se nomeou o hCG antes que se conhecesse seu modo de ação. Explicou-se que gonadotrofina significa literalmente uma substância ou hormônio utilizada diretamente por uma glândula sexual, e isso é bastante confuso.

Vem da época em que se descobriu que o hCG podia amadurecer uma glândula sexual imatura e não se observou que o hCG não estimulava de forma alguma uma glândula normalmente desenvolvida e que funcionava normalmente. Nenhuma quantidade de hCG aumenta uma função sexual normal; pode apenas aumentar uma função anormal e, em jovens, apressar o desenvolvimento da puberdade. No entanto, esse efeito não é direto.

O hCG age exclusivamente em nível diencefálico e então traz um aumento considerável na capacidade funcional de todos os centos que estão trabalhando em capacidade máxima.

A gonadotrofina Coriônica Humana real

Gonadotrofina Coriônica Humana

Dois hormônios femininos conhecidos como hormônio folículo-estimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH) são secretados pelo lobo anterior da glândula pituitária.

Esses hormônios são gonadotrofinas reais porque dirigem diretamente a função dos ovários; a pituitária anterior, por sua vez, dirigido pelo diencéfalo, quando há uma deficiência dos ovários o centro diencefálico responsável começa a trabalhar duro para corrigir essa deficiência aumentando a secreção da pituitária anterior de FSH ou LSH, dependendo do caso.

Quando a deficiência sexual está clinicamente presente, esse é um sinal de que o centro diencefálico responsável está indisponível, apesar do máximo esforço para lidar com a demanda por estimulação da pituitária anterio[. Quando, então, a administração de hCG aumenta a capacidade funcional do diencéfalo, todas as demandas podem ser satisfeitas plenamente e a deficiência sexual é corrigida.

Gonadotrofina Coriônica Humana e pituitária

Gonadotrofina Coriônica Humana

Que esse é o mecanismo verdadeiro por trás da ação gonadotrófica presumida da hCG é confirmado pelo fato de que quando a glândula pituitária de filhotes de ratos é removida antes de se administrar hCG a eles, isso não tem efeito em suas glândulas sexuais.

O hCG não deve, então, ter uma ação estimulatória direta na glândula sexual como aquela das gonadotrofinas da pituitária anterior, como são chamados o FSH e o LSH. Esses últimos são substâncias inteiramente diferentes das que podem ser extraídas da urina de uma mulher grávida e as quais, infelizmente, são chamadas de gonadotrofina coriônica.

Não seria tão confuso, e certamente seria muito mais apropriado, se o hCG fosse chamado de diencefalotrofina coriônica.

O hCG não é um hormônio sexual

Gonadotrofina Coriônica Humana

Não se pode enfatizar o suficiente que o hCG não é um hormônio sexual, e que sua ação é idêntica em homens, mulheres, crianças e naqueles casos em que as glândulas sexuais não funcionam mais por idade avançada ou remoção cirúrgica.

A única mudança sexual que pode acontecer depois da puberdade é uma melhora de uma deficiência pré-existente, mas nunca uma estimulação além da normal.

De forma indireta, por meio da pituitária anterior, o hCG regula a menstruação e facilita a concepção, mas nunca viriliza uma mulher ou feminiza um homem. Também não faz com que cresça mamas em homens ou interfere em sua virilidade, apesar de poder melhorar onde isso for deficiente.

Nunca fez barba crescer ou a voz engrossar em mulheres. Tenho enfatizado esse ponto apenas para informar os leitores leigos, porque em nossa experiência diária, quando um paciente ouve a palavra “hormônio” logo pula para a conclusão de que isso tem a ver com mudanças sexuais.

Eles não estão acostumados, como nós estamos, em pensar em tiroxina, insulina, cortisona, adrenalina etc. como hormônios.

Importância e potência da hCG

Gonadotrofina Coriônica Humana

Devido ao fato de o hCG não ter ação direta em qualquer glândula endócrina, sua enorme importância na gravidez foi ignorada e sua potência, subestimada.

Apesar de uma mulher grávida produzir cerca de um milhão de U.I. por dia, descobrimos que uma dose de apenas 125 U.I. por dia é suficiente para reduzir o peso ao ritmo de cerca de meio quilo por dia, mesmo em uma pessoa morbidamente obesa pesando 180 kg, quando associada a uma dieta de 500 calorias por dia. Não é exagero dizer que a inundação de hCG no corpo feminino é, de longe, o evento hormonal mais espetacular na gravidez.

Gonadotrofina Coriônica Humana e suas funções

Gonadotrofina Coriônica Humana

Ela possui uma importância protetora enorme para a mãe e o bebê, e vou mais longe ao afirmar que nenhuma mulher, e certamente nenhuma mulher obesa, poderia manter sua gravidez a termo sem ela.

Se posso ser perdoado por comparar meus colegas endocrinologistas com madrastas malvadas, a hCG com certeza tem sido sua Cinderela, e posso apenas esperar romanticamente que seu extraordinário efeito na gordura anormal fique provado como sendo sua fada-madrinha.

A hCG é conhecida há mais de cinquenta anos. É a substância que Aschheim e Zondek tão brilhantemente usaram para diagnosticar gravidez precocemente pela urina.

Para além disso, a hCG só foi utilizada em laboratório para produzir ratos precoces, e isso não foi particularmente estimulante para outras pesquisas em uma época na qual descobertas endócrinas muito mais interessantes foram sendo feitas por todos os lados, mas deixando a hCG de lado.

Como estamos falando de desordens puramente regulatórias, obviamente excluímos todos os casos nos quais existem grandes lesões orgânicas na pituitária ou nas glândulas sexuais.

Trecho tirado do livro “Pesos e Medidas” do Dr. Simeons, criador da dieta hCG.

Veja também:

Benefícios da Dieta hCG

Dicas para a Dieta hCG

Deixar um comentário

Enviar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *